ANDAMENTO DA OBRA


ATUALIZAÇÃO EM 24/05/2019

CET realizará a interdição parcial da Marginal Tietê para início das obras

 

A Companhia de Engenharia de Tráfego vai monitorar a Marginal Tietê nos dois sentidos, no trecho entre as pontes Ulisses Guimarães e do Piqueri a partir de sexta-feira (24) para obras da futura ponte de ligação da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães pela SPOBRAS - São Paulo Obras. Os responsáveis estimam prazo de 18 meses para conclusão das obras.

 

Datas e Horários

As operações de acesso ao canteiro de obras ocorrerão de segunda a sexta-feira, das 10 às 15 h, ocupando a faixa da esquerda da pista expressa nos dois sentidos da Marginal Tietê. Aos sábados ocupações parciais serão das 16 às 21 h. Interdição das pistas expressas das 21 até as 04 h do dia seguinte. Durante os fins de semana, das 21  h dos sábados até às 12 h dos domingos. As datas e horários de interdição poderão sofrer alteração em função do avanço das obras.

 

Alterações viárias

Estreitamento da faixa da esquerda da pista expressa da Marginal Tietê, nos dois sentidos; Interdição da faixa de transposição da pista expressa para a pista central, sentido Ayrton Senna; Apoio operacional  para informar aos motoristas da entrada e saída de caminhões na faixa da esquerda, sentido Castelo Branco. Os trechos em obras receberão sinalização de advertência de obras e regulamentação de velocidade máxima em  40 km/h.


ATUALIZAÇÃO EM 13/05/2019

O prefeito Bruno Covas assinou na manhã da segunda-feira (13/05) a autorização da primeira etapa das obras para a ligação viária Pirituba-Lapa, um pleito de mais de 40 anos dos moradores da região. O projeto prevê a implantação de uma ponte sobre o rio Tietê e seus acessos, totalizando 900 metros de extensão para a interligação entre os dois bairros.

“Desde o ano passado nós começamos a organizar os recursos dos fundos municipais e assim conseguimos o valor para garantir esta obra até seu término. Um compromisso grande desta gestão para construir o sonho dos moradores desta região e melhorar a qualidade de vida de todos eles”, disse o prefeito Bruno Covas.

A ponte terá início na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, na altura do condomínio Projeto Bandeirante, e seguirá pela Vila Anastácio até a Rua Campos Vergueiro. Ela contará com mão dupla, ciclovia e faixa exclusiva para ônibus. Tendo em vista o crescente adensamento da região, o empreendimento trará melhorias para a mobilidade urbana da Zona Oeste da cidade, beneficiando cerca de 115 mil pessoas que utilizarão a via diariamente.

“Esta é uma ligação fundamental, por conectar novamente o bairro de Pirituba a cidade de São Paulo, além de fazer com que a população demore menos tempo para fazer esse deslocamento. Portanto, é importantíssimo do ponto de vista econômico e financeiro para a região”, afirmou o secretário de Infraestrutura Urbana e Obras, Vitor Aly.

Além da construção da ponte, o projeto completo consiste na implantação de três quilômetros de ligação viária, com três faixas de circulação em ambos os sentidos, sendo uma faixa exclusiva para ônibus. O trecho da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães que percorre a Vila Anastácio, atual gargalo de saída do bairro da Lapa para a Marginal Tietê, será alargado e receberá melhorias em toda a sua extensão.

Uma nova passagem inferior será construída sob a linha férrea da CPTM, com faixas para veículos, ônibus, passeio para pedestres e ciclovia. Também estão previstas a construção de um binário de acesso (viário bidirecional, que se divide em duas vias distintas, de sentidos opostos, originando-se e terminando no mesmo ponto) ao Terminal Lapa e obras de 900 metros de galerias de drenagem para garantir a captação adequada das águas pluviais.

A implantação do empreendimento vai desafogar o trânsito nas pontes da Anhanguera e do Piqueri, assim como nas conexões com a Marginal Tietê, proporcionando novas alternativas nos deslocamentos diários. Estudos de Tráfego mostram que, com o remanejamento de linhas de ônibus da região para o novo viário, os usuários do transporte público terão suas viagens encurtadas em até 36 minutos por dia entre os terminais Pirituba e Lapa. Já os usuários do transporte individual ganharão cerca de 15 minutos diários. Tais mudanças refletirão num menor tempo de viagens, maior fluidez na circulação do transporte público, de pedestres, de ciclistas e de veículos, gerando mais mobilidade e melhoria na qualidade de vida da população.

O valor do contrato, englobando as obras viárias e de drenagem é de R$ 200 milhões. Além desses valores, também são previstos gastos com desapropriações, enterramento de redes, compensações ambientais, gerenciamento e fiscalização da obra. O valor total do empreendimento está estimado em R$ 386,5 milhões.

Licenciamento ambiental
Uma fase importante para possibilitar o início da implantação do empreendimento acaba de ser concluída. Em 25 de abril deste ano, foi expedida a Licença Ambiental de Instalação (LAI n° 03/CLA-SVMA/2019) pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, documento que autoriza o início das obras.

Operação Urbana Consorciada Água Branca
Como parte das intervenções previstas no âmbito da Operação Urbana Consorciada Água Branca (OUCAB), o início das obras da ligação viária Pirituba-Lapa depende dos recursos a serem captados por um novo leilão de Certificados de Potencial de Construção (CEPAC’s), cujo projeto de lei está atualmente em tramitação na Câmara Municipal. Contudo, ciente da importância dessa obra para a região, a Prefeitura de São Paulo não tem poupado esforços para concretizá-la e decidiu empenhar recursos municipais advindos de Fundos para início das obras. (capital.sp.gov.br/noticia)


ATUALIZAÇÃO EM 30/04/2019

A ponte Pirituba-Lapa, aguardada há mais de quatro décadas pelos moradores da região norte, já tem data prevista para o início de sua construção:  maio de 2019.  Na primeira etapa da obra, prevista para durar 18 meses, serão implantados uma ponte sobre o rio Tietê e seus acessos. Com 900 metros de extensão, o objetivo  é interligar os dois bairros.

A nova via contará com mão dupla, ciclovia e faixa exclusiva para ônibus. Ela vai começar na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, na altura do condomínio Projeto Bandeirante,  atravessa o Rio Tietê e seguirá pela Vila Anastácio até a Rua Campos Vergueiro.  Diante do crescente adensamento da região, o empreendimento trará melhorias para a mobilidade urbana da Zona Oeste da cidade, beneficiando  cerca de 115 mil pessoas que utilizarão a ponte diariamente.

Além da construção da ponte, o projeto contempla três quilômetros de ligação viária, com três faixas de circulação em ambos os sentidos, sendo uma delas faixa exclusiva para ônibus. O trecho da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães que percorre a Vila Anastácio, atual gargalo de saída do bairro da Lapa para a Marginal Tietê, será alargado e receberá melhorias em toda a sua extensão. Uma nova passagem inferior será construída embaixo da linha férrea da CPTM, com faixas para veículos, ônibus, passeio para pedestres e ciclovia. Também está prevista a construção de uma via de dois sentidos que vai facilitar o acesso ao Terminal Lapa. Serão realizadas obras de 900 metros de galerias de drenagem, para garantir a captação adequada das águas pluviais.

A implantação do empreendimento vai desafogar o trânsito nas pontes da Anhanguera e do Piqueri, assim como nas conexões com a Marginal Tietê, proporcionando novas alternativas de deslocamentos diários. Estudos de Tráfego mostram que, com o remanejamento de linhas de ônibus da região para o novo viário, os usuários do transporte público terão suas viagens encurtadas em até 36 minutos por dia entre os terminais Pirituba e Lapa. Já os usuários do transporte individual ganharão  cerca de 15 minutos diários. Tais mudanças refletirão num menor tempo de viagens, maior fluidez na circulação do transporte público, de pedestre, de ciclistas e de veículos, gerando mais mobilidade urbana  e qualidade de vida da população.

Licenciamento ambiental

Uma fase importante para possibilitar o início da implantação do empreendimento acaba de ser concluída. Em 25 de abril, foi expedida a Licença Ambiental de Instalação (LAI n° 03/CLA-SVMA/2019) pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, documento que autoriza o início das obras.

Operação Urbana Consorciada Água Branca

Como parte das intervenções previstas no âmbito da Operação Urbana Consorciada Água Branca (OUCAB), o início das obras da ligação viária Pirituba-Lapa depende dos recursos a serem captados por um novo leilão de Certificados de Potencial de Construção (CEPAC’s), cujo projeto de lei está atualmente em tramitação na Câmara Municipal. Contudo, ciente da importância dessa obra para a região, a Prefeitura de São Paulo não tem poupado esforços para concretizá-la e decidiu empenhar recursos municipais advindos de Fundos para início das obras. (capital.sp.gov.br/noticia)


 

 AUDIÊNCIA PÚBLICA

Casa de Nassau (27/09/2017)


 

Diário Oficial da Cidade de São Paulo - 04/06/2016 - página 67

2016-0.098.741-5 Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras - SIURB Concorrência nº 074150120 - Contratação de empresa especializada para elaboração dos projetos executivos e execução das obras de ligação Pirituba-Lapa – Melhoramento Viário Av. Raimundo Pereira de Magalhães e Rua John Harrison, inclusive implantação das pontes sobre o Rio Tietê e Passagem sob a Linha 8 – Diamante da CPTM, próximo ao cruzamento da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães com a Rua Gago Coutinho. DESPACHO à vista dos elementos constantes do presente, da existência de recursos financeiros às fls.2.365/2.366, em especial do despacho às fls. 2338 que homologou a decisão proferida pela Comissão de Licitação bem como da ATAJ às fls. retro e nos termos do disposto no art. 43, inciso VI que, ADJUDICO o objeto da CONCORRÊNCIA Nº 074150120 à primeira classificada no certame ao Consórcio Viário Lapa – Pirituba (EIT Engenharia S.A e Constran S.A Construções e Comércio), constituído pelas empresas EIT Engenharia S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 13.300.818/0001-71 e Constran S.A Construções e Comércio, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 61.156.568/0001-90, sendo certo que o objeto consiste na contratação de empresa especializada para elaboração dos projetos executivos e execução das obras de ligação Pirituba-Lapa – Melhoramento Viário Av. Raimundo Pereira de Magalhães e Rua John Harrison, inclusive implantação das pontes sobre o Rio Tietê e Passagem sob a Linha 8 – Diamante da CPTM, próximo ao cruzamento da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães com a Rua Gago Coutinho. Outrossim, AUTORIZO a contratação do referido Consórcio, em conformidade com as regras estabelecidas neste edital e seus anexos, pelo valor total de R$ 198.911.424,16 (cento e noventa e oito milhões, novecentos e onze mil, quatrocentos e vinte e quatro reais e dezesseis centavos), sendo que para o presente exercício encontra-se disponível o valor de R$ 5.097.433,32, conforme informações de SIURB/CONT. às fls. 2366. Outrossim, AUTORIZO a emissão de empenho para suportar as despesas que a contratação ensejará neste exercício, onerando a dotação orçamentária indicada por SIURB/CONT, às fls. 2365.



ORÇAMENTO MUNICIPAL 2016

A Prefeitura mandou para a Câmara Municipal em 26/11/2015 uma proposta mostrando quanto vai ser destinado para cada região da cidade. O orçamento está estimado em mais de R$ 54 bilhões - Pirituba deverá ter R$ 179 milhões, dos quais R$ 82,13 milhões estão destinados para a construção da ponte Pirituba sobre o rio Tietê. Os Vereadores ainda pode fazer alterações antes de votar a proposta.


 

Marginal Tietê terá complexo viário de 300 milhões de reais

Ponte vai ligar a Lapa, na Zona Oeste, a Pirituba, na Zona Norte

 

A prefeitura de São Paulo vai construir mais uma ponte sobre a Marginal Tietê - entre Pirituba, na Zona Norte, e Lapa, na Zona Oeste, ligando os dois lados da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães. A licitação será lançada dentro de um mês. A obra integra o chamado Arco do Futuro - pacote de ações para o desenvolvimento da região da Marginal do Tietê proposto por Fernando Haddad (PT) durante a campanha eleitoral de 2012. O projeto, no entanto, é uma adaptação de uma promessa antiga feita à população, renovada por todos os prefeitos desde a gestão Luiza Erundina (1989-1992). Em tempos de ajuste fiscal no governo federal, que afeta obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o complexo viário, estimado em ao menos 300 milhões de reais, será construído com recursos da Operação Urbana Água Branca. Só a ponte terá um teto de gasto estimado em 70 milhões de reais. O custo sobe por causa de obras auxiliares, como drenagem urbana e readequação da via, desde as imediações do Tietê Plaza Shopping, no lado de Pirituba, até a estação Lapa, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), onde o pequeno túnel existente na via, de apenas uma faixa, dará lugar a uma pista com quatro faixas.

 

O secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, Roberto Garibe, ainda destacou a previsão de um corredor de ônibus na avenida. "Vai diminuir o tempo de viagem entre Pirituba e Lapa em 20 minutos", afirmou. Ao ressaltar a infraestrutura de transporte público na via e na ponte, o secretário tenta diferenciar a obra das últimas grandes intervenções na Marginal, entregues em 2010. Após dois anos de obras, a via ganhou mais uma pista nos dois sentidos e três pontes - uma delas, a Ponte Governador Orestes Quércia, chamada de "Estaiadinha", é subutilizada até hoje. "Vamos eliminar quase todos os semáforos na ligação até o Terminal Lapa, criando um corredor expresso para os ônibus", disse Garibe. Para começar a tirar o projeto do papel, a Prefeitura ainda tem de obter aprovações da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), da CPTM e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), todos do Estado. Os órgãos exigem o projeto executivo, que ainda está sendo feito, mais detalhado para emitir as autorizações. O financiamento também dependerá do humor do mercado, especialmente do setor da habitação, para ser viabilizado. Isso porque, segundo o secretário, a Prefeitura deverá avaliar a disposição das incorporadoras em lançar empreendimentos antes de iniciar o leilão dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) que bancarão a obra. Cepacs são papéis negociados na Bolsa de Valores que dão ao proprietário o direito de construir prédios com área maior do que o comum na região da Operação Urbana - no caso, Água Branca, Perdizes e Barra Funda. A venda é feita por meio de leilão. O anúncio ao mercado do início da primeira distribuição desses títulos foi feito no dia 3 deste mês. A arrecadação esperada é de, no mínimo, 1,1 bilhão de reais. (vejasp.abril.com.br)


   

A SPObras realizou a terceira audiência pública para apresentar e pôr em discussão o projeto de ligação viária Pirituba – Lapa. O encontro aconteceu no CEU Vila Atlântica, em Pirituba. Representando SPObras, Ricardo Pereira, diretor de Desenvolvimento de Projetos, conduziu o evento feito em três etapas. A primeira fala da noite ficou sob responsabilidade da socióloga Fátima Antunes, da Secretaria de Cultura, que deu ao público um histórico geográfico e social da ocupação daquela extensa área hoje conhecida como Lapa, Pirituba, Jaraguá. Confluência de caminhos, antiga rota de entrada e saída da futura metrópole, no século 18 chegou a ser usada por bandeirantes à procura de ouro. Ricardo Pereira apresentou o projeto sob os aspectos da engenharia, os croquis com os mapas e traçados das novas pistas, readequações geométricas, desapropriações e demais dados específicos da engenharia de trânsito. Delson Lapa, gerente de contratos, expôs o que acontece na área ambiental, esclarecendo etapas e medidas necessárias e quais ações são coordenadas com a Secretaria do Verde para que projetos desse porte tenham impactos reduzidos.

 

A obra, também chamada de Ponte de Pirituba ou Ponte Raimundo Pereira de Magalhães, será um novo e definitivo complexo viário que atenderá o intenso fluxo de veículos naquela área, passando sobre o rio Tietê, nos dois sentidos, com destino a muitas regiões da cidade. A nova ponte começa na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, passa por cima do rio Tietê e chega à Rua John Harrison e terá mão dupla, ciclovia e pista exclusiva para os ônibus. Para resolver um problema antigo que sufoca o trânsito, a rua John Harrison será alargada, terá duas pistas e ciclovia. Diversas linhas de ônibus serão remanejadas para passar pela ponte. Segundo estudos feitos por simulações, os ônibus terão 25 minutos reduzidos com o novo trajeto. O projeto reduzirá os conflitos viários na Av. Raimundo Pereira de Magalhães e dará fluidez ao trânsito no Alto da Lapa e também na Av. Marquês de São Vicente. Também acabará com o alagamento na passagem inferior da Linha 8 – Diamante, da CPTM. 

 

Passada a palavra ao público, as manifestações de moradores de Pirituba e da Lapa deixaram à mostra discordâncias e dificuldades para se chegar a um consenso. Os moradores de Pirituba não querem que se construa uma alça de acesso da ponte à Marginal Tietê. Já os moradores da Lapa solicitam que a alça seja construída. Quinze representantes dos moradores deram seus depoimentos e defenderam suas posições, dividindo a platéia sobre a real necessidade de se construir uma alça de acesso à via expressa da Marginal do Tietê. A direção de SPObras registrou todas as sugestões apresentadas pelos moradores, de representantes de associações e do Conselho Participativo Municipal, para em seguida avaliá-las junto aos órgãos competentes e dar o melhor encaminhamento técnico às sugestões ao projeto. (Fonte: Prefeitura de São Paulo). 




MATÉRIAS RELACIONADAS COM ESTE ASSUNTO