IGREJA NOSSA SENHORA DA LAPA

Em aproximadamente 1840, no século XIX, a valorização dos terrenos lapeanos fez com que se reabrissem as características da “Capela da Roça”, situada antes no contorno do imóvel denominado Pouso Alegre, com casas de vivenda no caminho da ponte do Anastácio. Em julho de 1847, o Cônego Antônio Joaquim de Araújo Leite vendeu a capela para Francisco Paulo Soares, que a transferiu para Luis Antônio de Barros em novembro de 1859. Porém, devido sua pouca importância e o esquecimento da pequena capela de Nossa Senhora da Lapa, foi decidido substituir o nome por Santa Cruz durante alguns anos. Em 1884, Luis Antônio de Barros Júnior e sua esposa Ana Maria Borba doaram à Mitra Arquidiocesana, a antiga capela sem título e mais dois metros de terrenos de cada lado da parede da mesma. No dia 14 de agosto de 1886, Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho, Bispo Diocesano de São Paulo, autorizou a celebração de uma missa na chamada Santa Cruz da Lapa. Mais tarde vieram a acontecer duas missas, uma em 13 de maio e outra em 12 de agosto de 1887, ou seja, apenas duas ao ano. Após a Paróquia de Santa Cecília, criada em 24 de março de 1895 tomar posse da capela, é que os cuidados foram se intensificando. Em meados dos anos de 1896, Serafim Corso dotou essa capela e construiu uma pequena torre com um sino, em estilo arquitetônico adequado àquela época.

 

Em 13 de novembro de 1896, o Bispo Dom Joaquim Arcoverde Albuquerque Cavalcanti, na qualidade de vigário de Santa Cecília, nomeia o Senhor Laurindo Bernardo Salgado como zelador com atribuições de tesoureiro, pois, levou em consideração à proposta do Reverendíssimo Padre Duarte Leopoldo e Silva, que depois veio a se tornar o arcebispo. Nos anos vindouros a Capela recebeu as seguintes provisões: licença para procissões e festas em honra a Nossa Senhora da Conceição; licença para procissões com o Santo Lenho e imagens; missa a pedido do zelador; e várias outras missas a pedidos de outras pessoas. Logo, o primeiro batizado foi realizado em 28 de maio de 1899. Porém, houve uma tentativa sem êxito de se adotar como padroeira Nossa Senhora da Candelária, mas para o povo decidiu permanecer como padroeira, a Nossa Senhora da Lapa. E, em 1901, foi renovada a provisão que autorizava a celebração da Santa Missa nesta Capela, então denominada “Capela de Nossa Senhora da Candelária do Bairro da Lapa”. Por conta do crescimento e do desenvolvimento do bairro juntamente com o aumento da população, em 1º de agosto de 1902, concedeu-se licença para serem celebrados casamentos às pessoas que estavam habilitadas para manter um matrimônio.

 

Em 12 de Novembro de 1903, a Capela da Lapa foi entregue aos cuidados espirituais dos Reverendíssimos Padres Agostinianos Recoletos, tendo a frente o provincial Frei Celidônio Mateo de São José e o padre João Batista de Siqueira, que realizaram em 2 de Dezembro de 1903, o primeiro casamento. Por haver grande necessidade de atrair famílias para a igreja, foi aberta uma escola gratuita, diurna para as crianças e noturna para os adultos, para reavivar a fé dos habitantes do bairro, que chegou a abrigar um grande número de famílias. E por serem italianos a maioria dos imigrantes que habitavam o bairro da Lapa, a igreja aproveitou a vocação para a música e acrescentaram como atividade na igreja, as lições de canto. Com isso, conseguiram reunir um número significativo de participantes que compareciam para as funções religiosas. Em 25 de agosto de 1910, o engenheiro Serafim Corso fez à Paróquia de Santa Cecília, a doação de um terreno situado no bairro da Lapa, exatamente onde está localizada a atual Paróquia Nossa Senhora da Lapa. Este mesmo doador havia feito gratuitamente, o projeto completo da igreja, que, embora aprovado pela Arquidiocese, não foi executado. Logo, foi construída a atual igreja, em localização prejudicial ao aumento da mesma, em estilo não condizente com a tradição, abrangendo inclusive, a pequenina praça que ali existia. Ele também doou à Igreja: a imagem da padroeira, confessionários, bancos e um terço de ouro, que em circunstâncias desconhecidas desapareceu.

 

Já em 9 de outubro de 1910, O Arcebispo de São Paulo, Dom Duarte Leopoldo e Silva benzeu, com cerimônias pontificais a pedra da futura Matriz. Estiveram presentes o Monsenhor Benedito de Souza, o Padre Péricles Barbosa, o Padre João Lindexir e o vigário de Santa Cecília, Cônego Marcondes Pedroso. A Comissão de Obras, que foi nomeada em 8 de março de 1911, por Dom Duarte, era constituída pelo Presidente Cônego Marcondes Pedroso; Secretário Antônio Martins Coelho; Tesoureiro Dr. Joaquim Domingues Lopes; Comissariados Francisco Gerald, Francisco de Assis Maciel, Martins de Godói e João Berrandini. Finalmente, em 8 de dezembro de 1911, a Capela foi elevada à categoria de Paróquia, denominada de Nossa Senhora da Lapa, desmembrada de Santa Cecília e da Bela Cintra, a atual Bela Vista, e no mesmo dia deu-se a posse do primeiro Vigário, Padre Nicolau Cosentino.

 

Entre 1911 a 1914, o Padre Nicolau fundou a Conferência de Nossa Senhora da Lapa, Irmandade do Apostolado da Oração e a Pia União das Filhas de Maria. As festas tradicionais da época eram São Vitalino e Nossa Senhora da Lapa, sendo esta última a mais importante, pois atraía pessoas de toda a cidade de São Paulo. Em 28 de setembro de 1914, a Capelinha que servia de Matriz, juntamente com parte das obras da futura igreja, desapareceu em um incêndio de circunstâncias até hoje desconhecidas. E em torno de 1915, a Matriz havia sido reformada interiormente, de modo a atenuar o aspecto que tinha de Capela da Roça, comportando apenas 120 pessoas. Havia ainda, o primitivo coreto coberto de zinco que servia para leilões de festas, que se faziam com freqüência e aos domingos a grande maioria dos assistentes ficava à porta da Capela, sob sol ou chuva.

 

Em 15 de maio de 1916, o Padre Benedito Pereira dos Santos conseguiu inaugurar a nova Paróquia e fundou ainda, as Irmandades de São Benedito, a de Nossa Senhora do Rosário e a Conferência de São Gabriel Dell Adolorata. Em 1920, o Padre Venerando Nalini foi nomeado e permaneceu até 1942, onde as obras estavam quase concluídas. E em 5 de fevereiro do mesmo ano tomou posse, o Padre Marcelo Franco, depois Monsenhor e Cônego, que em 1943,  colocou em prática seus planos, reformando as escadas de acesso à igreja e mandou colocar calçamento em todo o passeio ao redor. O salão paroquial, destinado a cinema, teatro, reuniões, assembléias e conferências, concluído em 1944, foi inaugurado por Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota e em 1947, inaugurou-se a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes.

 

Clique nas fotos para ampliar

 

Os sinos da Paróquia Nossa Senhora da Lapa, foram fundidos por uma empresa especializada, sob a direção do Monsenhor Marcelo Franco, que depois de muitas consultas a várias outras empresas e setores, não encontrou quem assumisse a responsabilidade de executar a tarefa de alçar os sinos da Matriz, por ser esta construída com tijolos e argamassa. E em 3 de junho de 1948, estavam colocados os três sinos da Matriz; o primeiro que pesava aproximadamente trezentos quilos, o segundo pesando quatrocentos quilos e o último pesando seiscentos quilos. Os dois menores ficavam na torre da esquerda e o último na torre da direita. Com o passar dos anos outros padres foram párocos na Matriz Nossa Senhora da Lapa, porém desde 1981, o pároco é o Padre Adalton Pereira de Castro, que desde sua permanência, empreendeu várias reformas na igreja, para torná-la mais próxima em relação ao seu projeto original, como as pinturas artísticas retratando várias passagens bíblicas que ornamentam as paredes e abóbada da igreja. E por fim,  no ano  de 2011 a Paróquia Nossa Senhora da Lapa completou  os cem anos de elevação de igreja para Paróquia. (arquisp.org.br)